21/08/16

Resenha: Confusões de um garoto, Patrícia Barboza

Título: Confusões de Um Garoto
Autor(a): Patrícia Barboza
Editora: D'Plácido
Páginas: 164
Classificação: ♥  ♥ ♥  
Sinopse: Após as férias de verão, Zeca se olhou no espelho e não reconheceu o garoto ali refletido. Ele tinha crescido e mudado muito. Parecia outra pessoa! Estava mais alto, com a voz mais grave, e o que mais causava espanto: seu repentino sucesso com as garotas! Então veio uma descoberta bastante confusa: ser adolescente não é nada fácil. Não é mais criança, mas também não é adulto ainda. E ali, no meio do caminho, um bocado de coisas novas (e bem estranhas!) passaram a acontecer. Além de lidar com a nova aparência e a popularidade, algumas perguntas começaram a provocar confusões na cabeça de Zeca... Por que suas irmãs gêmeas viviam se arrumando, tirando selfies e falavam sem parar? Por que certas coisas que antes eram tão legais não tinham mais a mesma graça? Por que o perfume que a Júlia deixou no rosto de Zeca mexeu tanto com ele? E a principal questão: Por que ele não consegue parar de pensar nela? Nesta história divertida, você vai acompanhar Zeca enquanto ele navega pelos altos e baixos que surgem com a adolescência e descobre que, seja como for, o importante é ter ao lado as pessoas que amamos.

''Então vesti o uniforme e fui para a cozinha tomar café. E ali estavam as minhas irmãs, já mais do que acordadas. Estavam elétricas. Nunca vi tanta alegria num primeiro dia de aula. As férias estavam tão boas...''

Em Confusões de um Garoto conhecemos Zeca, um garoto que vê sua vida completamente mudada após a chegada da famosa puberdade e o início do 9º ano. Nos últimos três meses de férias, ele teve muito tempo para refletir, para crescer, para ver espinhas nascerem por todo seu corpo e para se desenvolver. E isso o assusta. Fora esses problemas, ainda tem sua melhor amiga, Júlia, que começa a desperta um novo sentimento dentro dele e isso o assusta. Tem suas irmãs, que são uma graça, mas que na concepção de Zeca são duas tagarelas idênticas - elas são gêmeas! Ainda tem a separação de seus pais que até hoje é repassada na cabeça do nosso protagonista e que ele não entende, pois tem certeza que eles ainda se amam.

No geral, Zeca é apenas mais um menino que com o passar dos anos tem a cabeça tomada por inúmeros questionamentos e inseguranças, e que tenta viver e aprender no meio disso tudo. O que diferencia este livro dos demais é simplesmente o fato de que ele é narrado pelo próprio Zeca, ou seja, temos uma ideia do que é ser um menino e vivenciar os mesmos problemas, que nós, meninas, vivenciamos nesta época da vida.

Pelo o livro ser fininho, não posso falar muito, afinal, não posso enche-los de spoiler, mas garanto que vocês não irão se arrepender! A leitura é gostosinha e rápida, e quando você vai ver já acabou. O que me fez lembrar A Consultura Teen que também é outro sucesso e amor de livro da Patrícia Barboza. Essa escritora tem um jeitinho só dela de escrever que faz com a história flua rapidamente e quando chegamos ao final, sempre queremos mais!
“ – Ai, pai! – Eu queria me esconder embaixo da mesa – Que mico.– Mico por quê? – Ele riu. – Garotos se apaixonam.– Que cilada! Apaixonado pela melhor amiga. Tem coisa mais clichê? Não existe tema mais batido que esse em novela e filmes. Só que agora eu sou o protagonista.”
E o que falar sobre ter uma personagem com o meu nome? Alegria define e muito amor também! Quem me conhece bem sabe que se tem uma coisa que eu amo é quando encontro algo que tenha as cinco letrinhas que compõe meu nome e quando vi, que logo a grande paixão do Zeca se chamava Júlia, meu coração não se aguentou de alegria!

Fora isso, o livro também trata sobre um assunto super importante que ao meu ver, precisa ser tratado em todas as escolas, mas que quase não vemos falarem sobre isso... o cyberbullyng! No livro, algum aluno cria uma página na internet para denegrir a imagem de outros alunos da escola e isso dá um grande problema. O assunto foi abordado de uma forma leve e desconstruída, e nos mostra que tem como acabar com este grande problema sim!

O final é esperado e fofo ao mesmo tempo. Dá um ar de esperança a nossos coraçãozinhos que anseiam por histórias de amor e por viver aquele amor gostoso da adolescência. E ainda dá uma vontade de ''quero mais!'', afinal, o 9º ano é um ano cheio de descobertas, mas todos sabemos que o Ensino Médio nos guarda muito mais histórias - fica aqui o pedido por uma continuação!


Resenha: Entre 3 Mundos, Lavínia Rocha

Título: Entre 3 Mundos
Autor(a): Lavínia Rocha
Editora: D'Plácido
Páginas: 218
Classificação:  ♥  ♥ ♥  
Onde Comprar: Livraria CulturaD'Plácido e Americanas
Sinopse: Há algumas décadas, o Brasil vivia intensos conflitos entre pessoas normais e pessoas com dons extraordinários. Visando a paz no país, as autoridades o dividiram em dois territórios – o do Norte e o do Sul – e assinaram um contrato proibindo a migração de uma região para a outra.
Alisa é de uma família do Norte, mas foi identificada como pertencente ao Sul e precisa esconder a verdade de ambos os mundos. Além de quebrar o contrato toda semana para visitar seus pais, Alisa enfrenta problemas comuns da adolescência: acha seu próprio nome bizarro, gosta do cara errado e é a única pessoa que não percebe o quanto seu melhor amigo é apaixonado por ela. A vida de Lisa (como prefere ser chamada) se transforma completamente com um grande acontecimento no colégio e, agora, ela se vê diante de um desafio envolvido pela descoberta do amor e da sua verdadeira identidade.

''A dúvida era como seria possível uma garota nascida no mundo normal pertencer ao meio mágico...''

Sabem toda aquela ''magia'' que vemos em Harry Potter ou mundos utópicos como Jogos Vorazes e Divergente? Sim, sei que eles são maravilhosos, mas na minha humilde opinião, os criado pela Lavínia em De Olhos Fechados e Entre 3 Mundos são os melhores, simplesmente por serem no Brasil, e em lugares de nosso total conhecimento. E adentrando neste mundo cheio de magia, começamos esta resenha...

Em Entre 3 Mundos vemos o Brasil de uma forma totalmente diferente. Nosso país foi dividido em duas partes e na parte norte ficou o mundo sem magia e na sul, o mundo meio mágico. Há anos, esses mundos fizeram um acordo e delimitaram fronteiras entre eles, que de forma alguma poderiam ser atravessadas, até a chegada de Alisa, ou simplesmente Lisa - já que ela detesta seu nome. Lisa é uma jovem até então nascida no mundo normal, mas que possuí poderes e por isso, aos sete anos é reportada pela diretora de uma das escolas do mundo meio-mágico para se juntar a eles. Com muito pesar, os pais a deixam ir e a partir de então, nossa mocinha começa viver entre dois mundos.

No Colégio Ruit, lugar onde Lisa reside desde sua vinda para o mundo meio-mágico, ela vive em meio a magia e a pessoas maravilhosas como Nina, Marco, Sol e seu melhor amigo maravilhoso e apaixonante, Dan. O grupo acaba de chegar ao 1º ano do Ensino Médio e com isso, muita coisa mudou em suas vidas. Finalmente eles terão contato com sua magia e descobrirão qual é o seu dom particular. E toda a cerimônia para receber os seus respectivos dons corre muito bem, até o momento em que Lisa é chamada e na sua caixa, onde deveria estar o livro da sua heroína e seu nome, aparece um livro rasgado e seu nome trocado.

''Desde os seis anos, aprendi a me dividir entre os dois mundos e me via como uma espécie de intrusa em ambos.''

Sem saber o que aconteceu, a diretora Amélia coloca toda escola em busca de uma explicação para o caso de Lisa, e ela ainda recebe uma ajudinha extra de seus amigos. Entre a procura de uma explicação para tal acontecimento, o grupo acaba adentrando em um mundo mágico, quando Dan descobre o livro de uma heroína que a tem a história parecida com a da amiga. Então, eles descobrem o mundo mágico.

O mundo mágico é um lugar maravilhoso e incrível, e nele a galerinha passa por muitas aventuras em busca do que Lisa é e do seu sentido de vida. Claro que entre essa incansável busca eles se metem em confusões, mas elas só servem para nos mostrar como amizade é algo importante, e para shippar ainda mais Lisa e Dan!

''Nós devemos dominar a magia e não ela nos dominar. Inteligência é poder, se tu utilizas tuas habilidades mágicas para fazer tua tarefa, eventualmente tu não saberás mais fazê-la, daí teu dom se torna superior a ti, como se ele pudesse mais do que tu podes.''

Lembro que quando a D'Plácido me enviou um pacote cheio de livros eu não acreditei! Foi a primeira editora que me enviou livros e este dia ficará para sempre guardado na minha memória. Na animação do momento, folheei todos e me detive com Entre 3 Mundos. Maria, minha prima, pegou o livro e disse que queria muito ler, pois a sinopse era incrível. Quando fomos ler sobre a autora, ela disse ''Olha, Juju, ela parece você, tem o cabelo igual ao seu e gosta de batom vermelho''. Eu sorri com o comentário. Na escola, quando viram o livro e consequentemente também viram De Olhos Fechados, disseram a mesma coisa e mais uma vez eu sorri. Sem nem mesmo ter começado ambas as leituras, já tinha um carinho especial pelos livros e por aquela autora que era ''a minha cara'', como diziam.

E olha, hoje eu digo que é a maior honra ser pelo menos um pouquinho parecida em relação aos cachos de uma grande escritora. Lavínia é sensacional de tantas formas que nem explicar. Sua escrita é comovente e nos faz querer cada vez mais, assim, me fazendo dormir as três manhã, afinal ''só mais um capítulo, pois preciso saber o que vai acontecer com a Lisa mais na frente'' ou ''só mais um capítulo, vai que no próximo Lisa descobre que ama Dan também'', e de só mais um capítulo em só mais um capítulo virei a noite lendo o livro.

Quando cheguei nos agradecimentos finais, meu pequeno coração se apertou com tanto amor que ela dedicou em forma de palavras a pessoas importantes para a criação desta maravilhosa trama e meus olhos se encheram de lágrimas ao pensar ''Se um dia eu conseguir chegar lá, quero ser como Lavínia''. Por isso, muito obrigada por ser tão maravilhosa e por ter deixado que todas essas histórias saíssem da sua cabeça e viessem parar aqui, no meu quarto, no interior do Rio, tão longe de você, mas que me possibilitou sentir-se bem pertinho do seu coração!

16/08/16

Aquela ressaca literária nada inédita


É ótimo ler resenhas de livros, é maravilhoso entrar nos sites e ficar escolhendo os livros e não há sensação mais perfeita do que calcular o frete e fechar a compra após colocar seu endereço. Pequenas sensações que todo leitor sente quando se compra um livro, mas, você já ouviu falar de ressaca literária?
  
Ressaca literária é a incapacidade de iniciar uma nova leitura. Você tenta, você compra o livro, cheira, abraça mas na hora de ler a história não te prende a atenção, você simplesmente não consegue se comprometer com a leitura. Meus amigos, essa é a pior sensação pra um leitor, a incapacidade de prosseguir a leitura. 


Este ano eu vivi a maior ressaca literária, inciei o ano lendo O Mundo de Sofia e achei maravilhoso, depois li O Pequeno Príncipe e pensei "uau, 2016 será o meu ano!" só que as aulas inciaram, veio as provas, trabalhos e principalmente cansaço mental. Aquele cansaço que não chega a ser físico mais que te torna incapaz de ter atenção em qualquer coisa, seja em uma gravura ou em um trecho de livro. Meu planejamento para esse ano era ler no mínimo 16 livros, um número baixo para uma leitora tão ávida como eu. 



Lá por volta de maio 16 livros era um luxo que achei que não iria alcançar, porém, persisti na leitura. Toda tarde tentava um pouco, se eu não gostava do livro, lia outro. Afinal, eu amo ler, certo? Não podia desistir. Eu lia as resenhas na internet, via as amigas comentando sobre o final de determinado livro, via pessoas na minha sala lendo e eu olhando pra janela e pensando "como isso é possível?" e foi ai que concluí que estava vivendo uma ressaca literária. Por um certo tempo parei de tentar me empurrar livros e comecei a desenvolver outros hobbies, comecei a desenhar mais, a aprender cozinhar (até hoje sei fazer sopa e farofa) e não sei quando nem como eu estava lendo de novo. 



E quando eu tive a sensação de uma leitura finalizada eu me senti feliz e orgulhosa, orgulhosa porque demorei meses até poder concluir um livro de trezentas páginas. 


Nessas férias eu já li a triologia de Jogos Vorazes, A Maldição do Tigre e o primeiro livro de Game Of Thrones. Você deve estar se perguntando da minha lista de 16 livros, anime-se ao ler que já li 14 e falta apenas dois para atingir meu objetivo. Ainda pretendo concluir os cinco livros de Game Of Thrones esse ano e tenho outro livro na estante esperando pra ser lido, então não se crucifique nem fique tão preocupado quando um dia você acordar e descobrir que apesar do seu amor pela leitura você não consegue ler. Todos nós vivenciamos isso, inúmeras vezes. Algumas ressacas duram meses, outras dias e algumas até horas. Mas jamais abandone os livros, porque esses trazem pequenos infinitos dentro de suas páginas, você poderá ler quando se sentir pronto e totalmente curado da ressaca. 


E de ressaca ou não, me recomende livros bons para ler! Livros que irão me tirar da próxima ressaca, livros que irão me fazer chorar, rir, livros de todos os tipos! Estou sempre pronta para me aventurar e ficar apaixonada em uma nova história!


13/08/16

Resenha: Coração Perverso, Leisa Rayven

Título: Coração Perverso
Série: Starcrossed
Autor(a): Leisa Rayven
Editora: Globo Alt
Páginas: 360
Classificação: ♥  ♥ ♥  
Sinopse: Elissa Holt tem uma regra quando se trata de relacionamentos: ela não namora atores. Sua bem-sucedida carreira de diretora de palco em Nova York a ensinou que eles não são confiáveis, e isso se comprova quando ela conhece Liam Quinn.Eles tiveram um breve porém intenso romance há seis anos, pouco tempo antes de Liam se mudar para Hollywood, fazer sucesso em grandes produções de cinema e quebrar o coração de Elissa ao começar a namorar Angel Bell, a atriz queridinha da América.Agora o casal do momento está em Nova York para estrelar a peça A megera domada, de Shakespeare, da qual Elissa será, coincidentemente, a diretora de palco. Apesar de o cenário ser completamente diferente, tudo o que aconteceu entre eles – e o que poderia ter acontecido – vem à tona.Mesmo Elissa sabendo que se entregar a Liam de novo poderia gerar uma tragédia, fica claro que o amor e o desejo nem sempre seguem o script...

"Anos atrás, vi um artigo de revista que dizia que todo mundo deveria ter o coração partido ao menos uma vez para se transformar em uma pessoa melhor. Dizia que a dor de perder alguém que se ama faz você aprender sobre si mesma. Desenvolve força e resiliência."

Lembro a primeira vez em que li Meu Romeu, meu coração se encheu de alegria e meu livro favorito passou a ser esse. Acho que ele não se tornou meu ''livro favorito'', era algo a mais, era um livro que de certa forma contava minha história, falava um pouco de mim. Lembro também que na época contei para todas as minhas amigas o quanto este livro me definia e todas concordaram, mas não cogitaram ler porque não era algo que lhes chamava atenção. Em seguida veio Minha Julieta e eu tive mais certeza de que a autora andava me vigiando e contava a minha história através de suas palavras.

Não posso esconder que parte de mim ficou decepcionada ao saber que o terceiro livro da série seria sobre a irmã do grande amor da minha vida, vulgo Ethan, e que eu chorei nas primeiras páginas e até pensei em desistir da leitura. Só que é Leisa Rayven, gente!! E essa autora consegue prender minha atenção nas pequenas coisas e nos pequenos gestos, e foi assim que me apaixonei pelo conto de amor de Elissa e Liam.
''Racionalmente, entendo que deveria ser cautelosa porque sei tão pouco sobre ele, mas por alguma razão me sinto segura. É como se uma melodia tivesse soado na minha cabeça durante toda a minha vida e, graças a ele, agora ela tivesse letra.''

Elissa é a irmã de Ethan e em Coração Perverso conhecemos mais sobre essa personagem que aparece nos dois últimos livros da série, e ainda ganhamos um lindo romance que preenche nossos corações de muito amor e vontade de querer namorar um Liam.

Diferente do irmão, Lissa é diretora do palco e tem uma regra de ''não namorar atores'', mas tudo vai por água abaixo quando conhece Liam Fucking Quinn. E vive dias intensos do famoso ''vou, não vou'' e no final, quando resolve ir, Liam chega com a notícia de que vai partir para Los Angeles, pois conseguiu um emprego incrível e dos seus sonhos. Mesmo após sua partida, eles continuam amigos e trocando mensagens. Até que um belo dia, Liam deixa um recado na caixa postal de Lissa dizendo que a ama, e com o coração preenchido por todo esse amor, nossa mocinha resolve se declarar também, só que no dia em que escolhe dizer aquelas três palavrinhas mágicas, descobre da pior forma que Liam está namorando. E o seu mundo desmorona.


“Ele me encara por alguns segundos e, que merda, não acredito que depois de todos esses anos o efeito dele sobre mim não diminuiu. O tempo deveria curar tudo, certo? Bom, ele não ensinou meu coração a parar de desejar um homem que não me quer.”

Anos depois, Liam reaparece para contracenar uma peça, junto com sua namorada, a fabulosa Angel, onde Elissa é a diretora de palco. E com isso, velhos sentimentos e ressentimentos vem á tona. 

Nossa Lissa tenta ser o mais profissional possível, só que não tem como ignorar o grande amor da sua vida. E Liam concorda com isso. E em meio a este mar de sentimentos, eles revivem um velho e lindo amor, em meio a ameaças, segredos e tudo mais que envolve o ''por trás dos palcos''.


“ – Eu senti sua falta, Liss. Dói não te ver por todos esses anos, mas isso? Você estar bem aqui e eu não poder ter você? Dói muito mais.”

O livro é incrível de uma forma maravilhosa. É bom poder reencontrar com o meu casal favorito do mundo literário(Ethan e Cassie) e presenciar o casamento deles. Assim como é ótimo acrescentar mais um ''otp'' para a minha lista, que agora tem Lissa e Liam no final. 

Mais uma vez, Leisa conseguiu transpassar sentimentos através das mais doces palavras e dos mais belos gestos. Conseguiu preencher meu coração com muito amor e meus olhos, com muitas lágrimas. A narrativa é incrível e a história soou como uma música aos meus ouvidos. 

Os personagens são doces e apaixonantes. E a cada nova página eu queria mais e mais ter um Josh como melhor amigo. E Angel como amiga. E principalmente um Liam para chamar de meu. 

Você merece mais!


Era uma vez uma menina chamada Mônica. Mônica era uma menina linda que tinha muitos amigos e amava sair, seja para ir ali na esquina ver os carros que passavam na rua, ou tomar um sorvete na praça, uma balada com as amigas. A vida de Mônica era cheia de alegria e ela levava a sério aquele ditado ''viver cada dia como se fosse o último''.

Até que um dia Mônica conheceu Eduardo. Eduardo era um menino charmoso, extrovertido e carismático. Conquistou logo de cara o coração da nossa mocinha e após umas conversas, alguns beijos roubados e uma noite estrelada, eles começaram a namorar.

Como o começo de qualquer relacionamento, o deles foi só flores. Era chocolate pra cá, passeios pra lá. Muitos abraços, carinho e alegria. Tudo regado no bom e velho sentimento do ''eu te amo''. Até que um dia, Mônica disse que a Eduardo que iria sair com as amigas e ele se contrapôs, disse que não gostava que ela saísse sem ele. Nossa protagonista achou aquele um gesto fofo, pensou ''Ah, isso é porque ele tem medo de que aconteça algo e prefere estar comigo. Um doce esse meu namorado''.

As amigas estranharam tal gesto, mas deixaram passar. Até que duas semanas depois, Mônica chamou Eduardo para dar uma volta e ele disse que não poderia porque iria sair com os amigos, ela entendeu e resolveu sair com as amigas também. Não falou nada para ele, pois não viu necessidade, até porque ele também estaria com seus amigos. 

No outro dia, Eduardo viu uma foto que uma das amigas de Mônica havia postado no Facebook e foi atrás da sua namorada. ''Como assim ela saiu sem me avisar? Como assim ela saiu sem mim?'' ele pensou. E após a explicação de Mônica regada de verdades como ''Você também saiu com seus amigos, então não vi problema em sair com as meninas'', Eduardo proferiu várias ofensas a Mônica. Disse que ela não tinha o direito de sair sem ele e ainda mais sem avisar.

Após esse dia, o relacionamento desandou.

Mônica, com medo de perder o namorado, foi deixando as saídas com as amigas de lado. As viagens com a família para trás. E começou a se trancar no seu pequeno mundinho de quarto, escola e as vezes, via Eduardo, pois o mesmo andava sempre ocupado demais pra ela. Um dia ele tinha academia, no outro churrasco de um amigo, ou simplesmente estava cansado demais para ficar com ela. Nas primeiras vezes, ela ainda tentava fazer algo, mas sempre era barrada pelo namorado que tanto amava e tanto se preocupava com seu bem estar, que achava melhor que a mesma ficasse em casa.

Após esses surtos. Ele também começou a achar que a roupa de Mônica estava curta demais e que o batom preto que ela usava era forte demais. Uns amigos antigos de Mônica também começaram a incomodar Eduardo nas redes sociais e ele pediu que ela excluísse esses meninos, afinal não tinha porque ter gente que ia contra todo o amor dos dois. 

Um dia, umas amigas foram até a casa de Mônica e disseram pra ela que tudo aquilo estava errado, e que aquele relacionamento estava se tornando totalmente abusivo. Mônica pensou e repensou, e viu que era verdade, então foi conversar com seu namorado. Após horas de conversa, não sabemos como, mas Mônica de alguma forma viu que a errada na história era ela e fazia todo sentido as coisas que Eduardo dizia como ''Só faço isso para o seu bem'', ''Suas amigas não sabem de nada'', ''Eu sou a única pessoa que te ama nesse mundo e quer o melhor pra você''. 

Depois disso, nossa pequena e charmosa Mônica, dona da alegria e dos grandes sorrisos perdeu sua cor. Se trancou, se isolou e morreu por dentro. Perdeu amigos e até mesmo a família já não sabia mais o que fazer com a mesma. Só tinha Eduardo, que de uma forma muito engraçada e do dia para noite, esqueceu-se que tinha Mônica.

-----------------------------------------------------------------------------------------

Esse texto é uma pequena narrativa de como acontece os ''famosos'' relacionamento abusivos. Nesta história a trama se passa entre uma mulher e um homem, mas você pode colocar o gênero que quiser e enxergar da sua forma. Eu só peço encarecidamente que você não seja uma Mônica.

Muita das vezes, deixamos que o nosso amado(a) tome as rédeas do nosso relacionamento, da nossa vida e achamos que isso tudo é por amor, mas não é não. Um relacionamento é constituído por duas pessoas, ou seja, os dois tem o mesmo nível de autoridade sobre aquilo, nenhum dos lados pode ''mandar mais'' no outro, se não isso passa a ser uma relação de servidão. E aí deixa de ser amor. 

Se a pessoa acha que pra você ficar bem, você precisa dela, já está tudo errado. Se a pessoa tem a necessidade de te diminuir para ser alguém maior e melhor, não é um bom relacionamento. Se a pessoa usa de força física como tapa na cara, essa pessoa não é digna de você. Se a pessoa faz chantagem emocional, te coloca pra baixo e sempre diz que você tem que ser agradecida por tê-la ao seu lado, afinal, você não conseguiria o amor de mais ninguém nesse mundo, larga essa pessoa neste exato momento.

Você não pode ficar com alguém que quer tomar suas rédeas e ser seu dono. Você não pode ficar com alguém que quer tirar sua liberdade. Você não pode ficar com alguém que só te machuca e te maltrata, apenas por medo de ficar sozinha. Você não pode ficar com alguém apenas para se sentir feliz, para se sentir uma pessoa completa. 

Tem que deixar Tom Jobim e o seu ''é impossível ser feliz sozinho'' de lado, porque é mais que possível ser feliz sozinho, sendo mais clara, você só consegue ser feliz com alguém a partir do momento em que consegue ser feliz consigo mesmo. 

Você merece alguém que te transborde. Você merece mais!